CEBs

______________________________________________________________________________________________

Reunião: 4ª Feira

Horário: 19h30

Local: Setores ______________________________________________________________________________________________

C – Comunidade: integração de famílias que tem vivencia de fé cristã. Mulheres, homens, jovens, crianças que procuram viver relações fraternas de partilha, entre ajuda, solidariedade com mínimo de estrutura. São da mesma localidade, mesmo bairro ou rua, se organizam, definem e planejam suas atividades.

E – Eclesial: São Igrejas, procurando viver o projeto de Deus – Uma ” Sociedade Igualitária”. Participam cristãos, que se reúnem por causa da fé e de sua missa, em comunhão com os pastores e com toda a Igreja. Nas comunidades VIDA E FÉ se encontram. A realidade completa da vida do povo e de suas lutas é iluminada pela palavra de Deus – a “Boa nova” da libertação. Liberdade que atinge a pessoa humana; todo o povo e as próprias estruturas da sociedade. É libertação do pecado e de todas as amarras de escravidão. Celebram a Eucaristia, que é a força da caminhada.

B – Base: É de base porque é formada pelo povo simples que constitui a base da Igreja e da sociedade. Povo que se organiza e luta em defesa da VIDA, da JUSTIÇA e da IGUALDADE. Participa dos movimentos populares, organiza associações e sindicatos unidos aos idosos, sem terra, operários, excluídos, desempregados, mulheres, crianças abandonadas, alcoólicas. Valorizam os companheiros e abrem espaço para todos se manifestar.

CEBs – IDENTIDADE

As CEBs se identificam como POVO de DEUS, que se organiza, descentraliza o poder (não existe um só que manda) divide tarefas para que todos tenham possibilidade de participar e decidir. São o fermento que busca uma nova sociedade, assumindo papel profético.

As CEBs se abrem a outras culturas (índios negros) e a outras Igrejas cristãs fazendo Ecumenismo.

MISSÃO E MÍSTICA

A CEB procura viver, aprofundando, em sua caminhada a pratica das primeiras comunidades cristãs. A Mística nasce da relação com Deus e com os irmãos.

A CEB faz a experiência de Deus na vida, na luta, na dor, na festa e na esperança, pois o Reino é Dom de Deus. O Reino é compromisso. A Mística e a missão trazem presentes:

* O sentir a dor do pobre.
* Viver o amor e a compaixão de Jesus.
* A vida em comunidade.
* A partilha dos Dons.
* As canções.

As CEBs refletem, em escala pequena e local. A tomada de consciência de toda a pastoral da Igreja como agente de desenvolvimento e de produção do homem. Medellim vê as CEBs “célula inicial de estruturação Eclesial e foco de evangelização e, atualmente, fato primordial de promoção humana e desenvolvimento”(Medellín, 15,10).

CEBs NA BÍBLIA O ESPÍRITO SANTO CONDUZ A CAMINHADA

“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me para proclamar a remissão aos presos e aos cegos a recuperação da vista, para restituir a liberdade aos oprimidos e para proclamar o ano da graça do Senhor”.
(Lc. 4, 18-20). I Cor. (1,26-28). Atos (2, 42-47). E outros textos.

CEBs NOS DOCUMENTOS DA IGREJA:

1. As comunidades Eclesiais de Base constituem hoje, em nosso país, uma realidade que expressa um dos traços mais dinâmicos da vida da Igreja e, por motivos diversos, vai despertando o interesse de outros setores da sociedade.

2. Podemos fazer nossas as palavras dos bispos em Puebla: “As comunidades de base que, em 1968, eram apenas uma experiência incipiente, amadureceram e multiplicaram-se. Em comunhão com os seus bispos, converteram-se em centros de evangelização e em motores de libertação e

desenvolvimento”(DP 96).

3. Fenômeno estritamente Eclesial, as CEBs nosso país nasceram no seio da Igreja instituição e tornaram-se “um novo jeito de ser Igreja”. Pode-se afirmar que é ao redor delas que se desenvolve, e se desenvolverá cada vez mais, no futuro, a ação pastoral e evangelizadora da Igreja.

4. Fator de renovação interna e novo modo de a Igreja estar presente ao mundo, elas constituem, por certo, um fenômeno irreversível, senão nos detalhes de sua estruturação, ao menos no espírito que as anima. (Doc.N 25 da CNBB).

CEB – LUGAR E ESPAÇO:
* Do perdão e da festa.
* Do encontro e da partilha.
* Da solidariedade e da partilha.
* Do diálogo e da escuta.
* Do sonho e do compromisso.
* Do anúncio e do testemunho.
* Da confiança e da ternura.
* Da fé e da oração.
* Do acolhimento e da hospitalidade.
* De conscientização e transformação.
* Onde se desenvolvem os dons.

Fonte: www.tremdascebs.blogspot.com.br

Imprimir