Mensagem do pároco › 18/02/2014

VERBOS PREDILETOS

 

Quando pensava num texto para essa terça-feira, lembrei-me desse poema de dom Hélder Câmara e pensei que poderia partilhá-lo com você. Veja que lindo e profundo. É daqueles textos que nunca perdem o frescor e sempre conduzem a pessoa à reflexão e à conversão:

 

“Há verbos que jamais devemos conjugar.
Um exemplo fácil de entender:
jamais conjuguemos o verbo odiar.
Deus é Amor!
O ódio é o anti-Amor.
É anti-Deus.
Como odiar, se o ódio nos afasta de Deus?
E, além do mais, o ódio envenena a nossa vida.
Faz mal, não só à nossa vida espiritual, mas à nossa própria saúde física.

Outro verbo horrível,
que não deve existir para nós, é sobrar.
As pessoas idosas ou enfermas têm a tentação de achar que estão sobrando.
A impressão de sobrar faz um mal terrível!
Quem se une a Deus, não sobra nunca!
Não é inútil, nunca!
Unida a Cristo, a criatura aparentemente mais inútil, ajuda o mundo inteiro,
enviando à distância e de modo anônimo a quem está a um palmo do desespero,
coragem, fé, esperança e amor.

Verbo anti-cristão,
e do qual devemos querer distância é intrigar.
Já o verbo dividir, se é com o sentido de intrigar, é péssimo!
Mas há um dividir abençoado: repartir.
Não guardar só para si, não se fechar no egoísmo.
Julgar é verbo que nos escapa.
Cristo avisou que não podemos julgar.
E não adianta dizer que não julgamos.
Não podemos evitar ver.
Não julgamos, mas vemos.
E o que é que vemos?
Vemos a fachada!
Vemos a cara e não vemos o coração.
Perdoar supõe que tenhamos julgado e condenado.
Claro que o ideal seria nem julgar nem condenar.
Mas é evidente, que se nos metemos a julgar, é grande e belo perdoar.
Perdoar e esquecer, pois quem não esquece,
quem guarda, não perdoou de verdade.

Verbo lindo,
lindíssimo, que muitos pensam que sabem conjugar,
e raro os que conjugam de verdade é dialogar.
Quantas vezes duas pessoas dão a impressão de estar dialogando
e apenas estão em monólogos paralelos.
Quando uma pessoa fala, a outra nem escuta direito.
Fica só aguardando a brecha pra falar, sem também ser muito ouvida.

Um dos verbos mais humanos,

mais profundos e mais necessários
à paz do mundo é compreender.
Na oração de são Francisco chegamos a pedir:
‘Ó Mestre, fazei que eu procure mais compreender do que ser compreendido!’.
Nós todos gostamos de ser bem compreendidos.
Como ganharíamos em passar por este mundo compreendendo.
Quanto mais se alargar a nossa compreensão,
quanto menos limites cortem o caminho da nossa compreensão,
mais perto estaremos de grande paz interior.

Amar é o verbo em que Cristo resumiu  todos os
nossos deveres como criaturas humanas e filhos de Deus.
Em passar por este mundo amando a Deus e amando o próximo.
Quem passar por este mundo amando, mas amando de verdade, é santo, é santa.
Santo Agostinho chegou a dizer: ama e faz o que quiseres.
Claro que o santo se referiu ao verdadeiro amor.
E quantas vezes a pessoa pensa que ama, e apenas se ama!

Repararam na caminhada linda que há dentro do verbo orar?
Há quem só saiba orar para pedir.
Deus nos entende.
Ele nos conhece mais do que nós nos conhecemos.
Ele sabe como somos frágeis e necessitados de ajuda.
Só que alguns quando pedem, sem nem saber ao certo
o que pedem (vemos tão pouco e tão mal!), pedem exigindo.
E ai de Deus se não der o que eles ou elas pedem.
Rompem com Deus.
Pedir, sim.
Mas deixando a decisão final a Deus que é Pai,
e que mesmo quando parece distante, sem vermos nem ouvirmos,
mesmo quando na aparência não nos atende,
nunca deixa sem resposta um grito que venha do mais íntimo do nosso íntimo.

Mas orar é também pedir perdão.
E quem não precisa de perdão e misericórdia?!…
Orar é também agradecer.
E são tão poucos os que se lembram de agradecer.
Mas orar adquire toda sua grandeza e beleza
quando orar é também adorar.

EXPERIMENTE PROCURAR LUGARES CALMOS, SOLITÁRIOS E BELOS!
EXPERIMENTE CHEGAR EM HORAS COMO MADRUGADA E POR-DO-SOL!
EXPERIMENTE COLOCAR-SE DIANTE DE DEUS E DIZER-LHE COM A MAIOR SINCERIDADE:
PAI! NÃO VENHO LHE PEDIR NADA!
VENHO APENAS DIZER QUE VIBRO DE ALEGRIA PORQUE TU EXISTES
E ÉS DEUS E ÉS PAI!
ISTO É ADORAR.”

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *